22 de outubro de 2009

Bastardos Inglórios (2009)

Outro dia estava lendo no Jornal Correio do Povo uma crítica sobre o lançamento "Bastardos Inglórios. Ali, o mesmo que li em outros jornais, críticas na internet e comentários alheios realmente não conseguiu me tirar a curiosidade de ver com os meus próprios olhos esta obra do cineastra que parece seguir sua linha básica de sangue, violência gratuita, belas mulheres e mais sangue.
Entendo que a violêma crítica sobre o novo filme do Quentin Tarantino "Bastardo Inglórios". Esta crítica, repetindo o quncia e o sangue na obra do Tarantino faz parte da sua estética, assim como as mulheres sexy, as armas e os diálogos intermináveis. O colorido, sobre tudo o vermelho, harmonizam com o enredo e a cultura pop que de forma remissiva ele repete.
O filme se passa durante a Segunda Guerra Mundial e a grande fantasia da história é tentar exterminar os líderes Hitler e demais seguidores. Paralelo a isso aparece as ironias das atrocidades dos nazistas, comentadas em meio a bares e jogatina.
Destaco a interpretação do Christoph Waltz, ator austríaco que foi premiado no Festival de Cannes pelo seu papel de Coronel nazista exterminador de judeus. Brad Pitt mostrou mais uma vez seu potencial humorístico, embora seu papel não tenha muito protagonismo.
Tentei me lembrar dos outros filmes de Tarantino e não consigo lembrar de nenhum que tenha me chamado muito atenção, que tenha adorado. Gostei muito de Jackie Brown (1997), tentei gostar de Kill Bill mas não consigo entrar na "viagem" dele. Bastardos Inglórios poderia dizer o mesmo, gostei, mas me custou entrar nesta viagem.
Cada ano espero o lançamento do filme do Woody Allen, do Almodóvar, do Lars Von Trier, assim como para muitos a espera é pelo Tarantino. Sigo esperando os meus lançamentos, porque pelo visto, mesmo tentando, o Tarantino não é dos "meus".

Um comentário:

Samanta disse...

O nazista realmente é o melhor do filme, mas a cena que os americanos se passam por italianos é hilária, não? Lembrando que eu vi o filme na alemanha, imagina a surpresa da audiência com o final...
bjos