1 de dezembro de 2008

2º Ato: A solução dos 50%

Seguindo as dicas ou o estilo de vida da nossa “amiga” francesa Mireille Guiliano o tamanho da porção é citado por muitos como um dos motivos do porque as francesas não engordam. Segundo a autora, se fosse só isso, mudar o hábito seria muito complicado.

Diz ela que controlar o tamanho das porções é mais uma arte do que uma disciplina. Será?

Um dos truques aplicados por Mireille é o controlar a ingestão de alimentos se perguntando se a metade do que lhe é oferecido é suficiente e se sentirá igualmente satisfeita comendo a metade. Ela aplica esta técnica com tudo: com o pão (hábito muito freqüente nas refeições européias), dividindo a sobremesa com o marido (sou meio egoísta para seguir isto, prefiro cada um com a sua porção e compartir as duas coisas), com o vinho… Aliás, o vinho é um alimento e portanto também pode se encaixar nesta regra, pois muitos dos beneficios do vinho desaparecem se a medida consumida é exagerada (1 cálice por refeição).

Vamos a regra dos 50% para o vinho. Mireille, pelo seu conhecimento de vinhos e champagnes, costuma fazer o seguinte: abre uma garrafa de vinho e divide em duas garrafas, meia garrafa contém de 3 a 4 cálices. Lembrando que o cálice deve ser servido pela metade para que o espaço que fica permita que o vinho tome contato com o ar. “respire” e seja invadido pelo aroma. Assim, servindo 3 vezes meios cálices sentimos a satisfação psicológica e mantemos a quantidade saudável de vinho diária recomendada por médicos. Em outro ato quero voltar ao assunto do vinho.


Mas a verdade tem que ser dita, seja qual for a regra para ter uma alimentação saudável e equilibrada, duas coisas são fundamentais: a privação não leva a lugar nenhum (salvo em alimentos que são nocivos por motivo de doenças, como diabetes, pressão alta, ...) e é preciso sentir PRAZER de comer, apreciar o que se come. Mais um dos um dos segredos das francesas, já dizia Mireille. Consumir alimentos que conservam seu sabor autêntico e natural, ao invés de preparados e condimentados com conservantes artificiais, é mais saciante e satisfatório pois ajudam a comer a quantidade certa.

O prazer proporcionado pela qualidade do que se está comendo compensa de certa forma a resistir a tentação de comer mais que o necessário. Este dicernimento, de registrar a diferença entre um alimento de temporada para outro que não é, pelo sabor original, é uma das armas secretas das francesas. Outro dado importante é que os franceses gastam mais em comida per cápita que os ingleses e os americanos, a questão é, se come melhor e assim se come menos.

Um comentário:

Samanta disse...

Bom, ok, até dá pra tentar, mas realmente a sobremesa.... ai que difícil!!
hahahahaha
Quero ver fotos do curso!!!
beijos